http://lalca.acv.ibict.br/lalca/issue/feed LALCA: Revista Latino-Americana em Avaliação do Ciclo de Vida 2021-05-10T14:29:04+00:00 Thiago Oliveira Rodrigues thiagorodrigues@ibict.br Open Journal Systems Revista Latino-Americana em Avaliação do Ciclo de Vida http://lalca.acv.ibict.br/lalca/article/view/5551 Pegada de carbono da cadeia de trigo da Argentina 2021-05-10T14:29:02+00:00 Rodolfo G Bongiovanni bongiovanni.rodolfo@inta.gob.ar Leticia Tuninetti ltuninetti@inti.gob.ar <p>A Pegada de Carbono representa a totalidade dos Gases de Efeito Estufa (GEE) emitidos por efeito direto ou indireto de um indivíduo, organização, evento ou produto. O objetivo deste trabalho é calcular a Pegada de Carbono da cadeia do trigo argentino. As unidades funcionais são quatro: 1 t de grão no portão da fazenda, 1 t de grão no porto de exportação, 1 kg de farinha no cliente do moinho de farinha e 1 kg de massa seca no cliente do moinho. Os métodos usados seguem as diretrizes ISO 14067 (2013) e IPCC (2019). A pegada de carbono da produção primária resultou em 146,5 kg CO2eq / t de trigo na entrada do campo. 38 kg CO2eq / t são adicionados a ele para transporte, resultando em um total de 184,4 kg CO2eq / t de trigo no porto. Na indústria, a pegada de carbono é de 343 g CO2eq / kg de farinha e 541 g CO2eq / kg de massa. Os resultados deste trabalho estão abaixo dos valores internacionais, utilizando os mesmos métodos. Uma possível explicação é o baixo nível de insumos aplicados à cultura, em termos comparativos com outros países produtores, bem como o uso generalizado da semeadura direta. A informação sobre a Pegada de Carbono tornou-se uma ferramenta estratégica e comercial.</p> 2021-05-09T16:10:53+00:00 Todos os direitos (c) 2021 Rodolfo G Bongiovanni, Leticia Tuninetti